segunda-feira, 15 de março de 2010

Acabei de ouvir...


E resolvi guardar...
Ainda vou escrever sobre isso!

"Vivemos num mundo em que precisamos nos esconder pra fazer amor, enquanto a violência é praticada em plena luz do dia..." (John Lennon)

Aonde eu acendo as luzes?! rsss...

1 comentários:

Ronald on 15 de março de 2010 16:24 disse...

Antes que escreva, cá estou eu comentando a magia e verdade dessa frase. Uma frase que vai na essência de uma sociedade falida, com valores invertidos, que se acostumou com atos grotescos contra o semelhante e que mesquinhamente ou hipocritamente inibe beijos e demonstrações de afeto e de amor por iguais (homens com homens, mulheres com mulheres) e até entre sexo oposto, em público. Um público que provavelmente não aprendeu a amar e se reprime em ideologias bestas, impostas, forçadas.
Essa mesma sociedade desaprendeu a sorrir para um desconhecido, correndo o risco de ser a razão do dia bom desse desconhecido, que talvez precisasse tanto desse sorriso, de m “bom dia!”. Desaprendemos a ver a beleza do céu. Desaprendemos a procurar arco-íris ao voltar o sol num dia chuvoso. Desaprendemos a ouvir o canto dos pássaros soltos. Mas aprendemos a nos acostumar com os sons de carros, buzinas, sirenas, telefones em horas improváveis e inconvenientes. Aprendemos a ser duros nesse mundo competitivo, deixando e ser doces, dóceis e amáveis. Como tão bem disse Albert Einstein: “Época triste a nossa. Mais fácil quebrar o átomo do que o preconceito”. Acho que prefiro remar contra essa maré, ainda que eu morra cansado de forçar o barco da vida contra esse mar fétido criado pelo homem. Eu levo vc comigo nesse barco, por toda a sensibilidade que vc mostra ter. Vc é especial, Carol! Mil beijos!

Postar um comentário

Acabei de ouvir...

E resolvi guardar...
Ainda vou escrever sobre isso!

"Vivemos num mundo em que precisamos nos esconder pra fazer amor, enquanto a violência é praticada em plena luz do dia..." (John Lennon)

Aonde eu acendo as luzes?! rsss...

1 comentários:



Ronald disse...

Antes que escreva, cá estou eu comentando a magia e verdade dessa frase. Uma frase que vai na essência de uma sociedade falida, com valores invertidos, que se acostumou com atos grotescos contra o semelhante e que mesquinhamente ou hipocritamente inibe beijos e demonstrações de afeto e de amor por iguais (homens com homens, mulheres com mulheres) e até entre sexo oposto, em público. Um público que provavelmente não aprendeu a amar e se reprime em ideologias bestas, impostas, forçadas.
Essa mesma sociedade desaprendeu a sorrir para um desconhecido, correndo o risco de ser a razão do dia bom desse desconhecido, que talvez precisasse tanto desse sorriso, de m “bom dia!”. Desaprendemos a ver a beleza do céu. Desaprendemos a procurar arco-íris ao voltar o sol num dia chuvoso. Desaprendemos a ouvir o canto dos pássaros soltos. Mas aprendemos a nos acostumar com os sons de carros, buzinas, sirenas, telefones em horas improváveis e inconvenientes. Aprendemos a ser duros nesse mundo competitivo, deixando e ser doces, dóceis e amáveis. Como tão bem disse Albert Einstein: “Época triste a nossa. Mais fácil quebrar o átomo do que o preconceito”. Acho que prefiro remar contra essa maré, ainda que eu morra cansado de forçar o barco da vida contra esse mar fétido criado pelo homem. Eu levo vc comigo nesse barco, por toda a sensibilidade que vc mostra ter. Vc é especial, Carol! Mil beijos!

Postar um comentário

 

Copyright © 2008 Designed by SimplyWP | Made free by Scrapbooking Software | Bloggerized by Ipiet Notez | Distributed by Deluxe Templates